Interessante

CPI da Covid adia sessão por votação da MP da Eletrobras

Regimento não permite o funcionamento de comissões simultaneamente ao plenário

A CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado decidiu adiar o depoimento do ex-auditor do TCU (Tribunal de Contas da União) Alexandre Figueiredo Marques por conta da votação, em plenário, da MP (Medida Provisória) da capitalização da Eletrobras.

O regimento interno do Senado é explícito ao proibir que qualquer comissão, temporária ou permanente, funcione simultaneamente aos trabalhos do plenário em ordem do dia –quando deliberam sobre projetos. A sessão da MP estava marcada para às 10h e a da CPI para às 9h.

O presidente do colegiado, Omar Aziz (PSD-AM), decidiu remarcar a oitiva: “Determino a secretaria que comunique ao senhor Alexandre Figueiredo Costa Silva Marques que nós iremos remarcar o depoimento dele em virtude de ter uma Medida Provisória de interesse da população brasileira e que todos os senadores Inclusive esse presidente têm interesse de debater essa matéria”.

Alexandre foi o autor do relatório atribuído ao Tribunal citado por Bolsonaro para defender a tese de que há supernotificação de mortes por covid. Depois, Bolsonaro disse que “errou” e cometeu um “equívoco” ao atribuir ao tribunal a autoria de um relatório sobre mortes causada pela covid-19 no ano passado.

O auditor foi afastado nesta 4ª feira (9.jun). O afastamento pede que o servidor não tenha acesso ao sistema do TCU “a fim de que ele não venha a influir na apuração da irregularidade”.

WIZARD É CRITICADO

Além do depoimento do ex-auditor, a CPI também havia marcado para esta 5ª feira (17.jun), a fala o empresário Carlos Wizard. Ele é apontado pelos senadores como um dos líderes do chamado “gabinete das sombras“, grupo de aconselhamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para o enfrentamento da pandemia e que teria incentivado o uso de medicamentos sem comprovação de eficácia contra covid-19.

Wizard está fora do país e sua ausência era dada como certa. Ainda assim, o ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal), autorizou na 4ª feira (16.jun) que o empresário fique em silêncio ao depor na CPI.

O ministro negou o pedido para que o depoimento fosse virtual, argumentando que quem faz as regras da CPI é o Senado, sendo a Casa a responsável por organizar o modelo das oitivas. No entanto, garantiu o direito ao silêncio.

O senador Omar Aziz, presidente da CPI, já havia rejeitado oficialmente na 3ª feira (15.jun) o pedido de Wizard para prestar depoimento remoto à comissão. Aziz ainda afirmou que se o empresário não comparecer e não informar motivo justo, a CPI pode pedir sua condução coercitiva.

Nesta 5ª feira, diante da ausência do empresário, Aziz o criticou e informou que a CPI pedirá à Polícia Federal que apreenda o passaporte de Wizard assim que ele retorne ao Brasil e só devolva depois que ele tenha prestado seu depoimento ao colegiado.

“O senhor Carlos Wizard está achando que conseguir habeas corpus no Supremo é que nem ir na quitanda comprar bombom, é uma falta de respeito. Não com a CPI nesse momento, mas com o Supremo Tribunal Federal que concedeu a ele um habeas corpus para ele poder comparecer e ficar em silêncio”, disse Aziz.

FONTE: PODER 360

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

About the author

Marcio Martins martins

Add Comment

Click here to post a comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

COMPARTILHE

BAIXE NOSSO APLICATIVO

RESENHA POLITICA

TEIA DIGITAL

DIRETO DE ROLIM

TEMPO REAL

PUBLICIDADE

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .

PARCEIROS

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
pt_BRPortuguese