Esporte

Corinthians vive a certeza de desfrutar privilégios de um clube-empresa

A direção do Corinthians entrou com ação exigindo a isonomia para pagar suas dívidas de centenas de milhões de reais, como os clubes-empresas. Fluminense, Vasco e Portuguesa fizeram o mesmo pedido. E conseguiram

Em 12 páginas, o escritório Bianchini formalizou a saída para o Corinthians usufruir de uma das maiores vantagens que um clube brasileiro pode desfrutar, como Sociedade Anônima do Futebol. Sem ser uma empresa: reunir todas as dívidas ativas em apenas um foro. E destinar apenas 20% de sua arrecadação mensal para esses credores.

O pedido foi feito ao Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, que repassou a decisão para a 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

A diretoria do Corinthians está entusiasmada. Tem a certeza de que poderá resolver o pesadíssimo problema das dívidas que estão travando o clube.

Além das centenas de milhões de reais pela construção do estádio, há inúmeros processos que atormentam o clube. Desde trabalhistas até de fornecedores, que reclamam de não terem sido pagos. 

O valor integral, de acordo com a oposição, estaria beirando 1 bilhão de reais. Mas não é confirmado pela direção do Corinthians. Pelo contrário, o valor é tratado como ‘segredo de estado’.

O Corinthians não é o primeiro clube a exigir a isonomia, ou seja, o mesmo privilégio dos clubes que se tornaram Sociedade Anônima do Futebol, como Cruzeiro e Botafogo. 

De maneira discreta, o Fluminense, Vasco e Portuguesa fizeram o mesmo pedido.

O argumento está no artigo 14 da lei do SAF, o que trata da isonomia e proporcional aos credores.

O blog conseguiu o pedido original. E reproduz aqui três páginas, de um total de 12.

A direção corintiana aposta que o clube desfrutará esse alívio financeiro. Há conselheiros ligados ao presidente Duilio Monteiro Alves garantindo que será ‘melhor do que vencer a Libertadores’, a aprovação desse pedido.

O Regime Centralizado de Execuções só não foi aprovado para o Corinthians, de acordo com a direção do clube, porque aconteceram duas contestações técnicas, apontadas pelo juiz Leonardo Fernandes dos Santos, da 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais do Tribunal de Justiça de São Paulo.

A primeira divergência foi em relação ao valor de R$ 5.000 do processo. O que não foi aceito. É necessário saber o total da dívida, não o valor ‘aleatório’ de R$ 5.000.

A segunda é que o Corinthians deveria ter pago as custas do processo. O que não fez.

O juiz deu o prazo de 15 dias para que o clube resolva essas questões, se quiser a isonomia.

Se aprovado, o clube ainda terá dois meses para apresentar a lista dos seus credores.

Os que receberão 20% do que arrecadar mensalmente.

Será o fim dos inúmeros processos, em várias varas, com avaliações diferentes.

A empolgação dos dirigentes é muito grande.

Há a certeza de que essa será a saída financeira definitiva para o clube, desde a construção da arena em Itaquera.

E, importantíssimo, para Duilio Monteiro Alves.

Sem virar SAF.

Ou seja, com o Corinthians mantendo sua autonomia.

Sem dono…

FONTE: R7.COM

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

About the author

Gomes

Add Comment

Click here to post a comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

COMPARTILHE

BAIXE NOSSO APLICATIVO

RESENHA POLITICA

TEIA DIGITAL

DIRETO DE ROLIM

TEMPO REAL

PUBLICIDADE

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .

PARCEIROS

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
pt_BRPortuguese