Politica

Câmara Municipal vai investigar contrato milionário dos Tubos da Prefeitura

A Câmara Municipal de Porto Velho aprovou por 11 votos favoráveis e 9 ausências de plenário, Requerimento do vereador Leo Moraes (PTB) convocando o Procurador-Geral do Município, Carlos Dobbis, para cobrar explicações sobre a adjudicação e homologação de um contrato milionário para aquisição de tubos para drenagem de ruas da capital. 

O contrato, no valor de R$ 31,99 milhões, chegou a receber Parecer desfavorável da Procuradoria do Município, mas foi homologado e adjudicado, ou seja, pago à empresa Raci e Raci. Segundo Leo Moraes, “a adjudicação ocorreu de forma discricionária e arbitrária”, um valor altíssimo para um município que sofre com a falta de asfaltamento, médicos e medicamentos nas unidades de saúde. 

Em aparte, o vereador Everaldo Fogaça (PTB) disse que a Secretaria Municipal de Obras (Semob) não consegue atestar a qualidade do produto que já foi adquirido pela Prefeitura. Na opinião do vereador, uma tubulação tão cara e de qualidade duvidosa dá a entender que a Prefeitura quer entubar a população de Porto Velho. “Esse contrato tem algo estranho ar e que não é avião”, disse o vereador. 

No mesmo sentido, o vereador Aélcio da TV (PP) se posicionou sobre o assunto. Segundo ele, o produto adquirido pela Prefeitura não tem a mesma qualidade do original e lembra que, no passado, o secretário Gilson Nazif enterrou o prefeito em situação parecida. “Temos que estar atentos à essa questão para não sermos responsabilizados mais tarde por omissão”, ressaltou. 

O vereador Sid Orleans (PT) foi mais além e consignou que os procuradores do Município não têm condições técnicas para aferir a qualidade do produto que foi comprado, sugerindo que essa aferição seja feita realmente por quem entende do assunto. O vereador disse ainda que, caso seja comprovada a denúncia, que o caso seja levado ao conhecimento do Ministério Público.

O processo em questão é o de nº 07.02256/2013, Pregão Eletrônico 115/2013. 

Sobre a preocupação manifestada por alguns vereadores de o procurador Carlos Dobbis não comparecer à convocação, algo que tem sido costumeiro em outras convocações feitas pela Câmara Municipal a secretários da Gestão Nazif, o presidente em exercício, Pastor Delso (PRB) disse que a Mesa poder invocar o Artigo 49 da Lei Orgânica Municipal. 

O Regimento interno da Câmara prevê o prazo máximo de 8 dias, a contar da notificação, para que o secretário municipal se apresente para dar as devidas explicações. “Caso contrário, vamos podemos denunciá-lo por crime de responsabilidade”, ressaltou Pastor Delso.

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

About the author

Gomes Oliveira

1 Comment

Click here to post a comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

COMPARTILHE

BAIXE NOSSO APLICATIVO

RESENHA POLITICA

TEIA DIGITAL

DIRETO DE ROLIM

TEMPO REAL

PUBLICIDADE

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
pt_BRPortuguese