Noticias

Abate de avião na Ucrânia pode ser crime de guerra, diz ONU

Genebra – O recente abate de um avião de passageiros no leste da Ucrânia, com seus 298 ocupantes mortos, pode ser considerado um crime de guerra, afirmou nesta segunda-feira a alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay.

 O abate do avião da Malaysia Airlines no dia 17 de julho foi uma violação do direito internacional e, dadas às circunstâncias, “pode ser um crime de guerra”, apontou Pillay.

“É imperativa uma investigação rápida, completa, efetiva e independente sobre este fato”, ressaltou a alta comissária da ONU, coincidindo com a divulgação do último relatório da missão de observadores enviada por seu escritório à Ucrânia.

Na apresentação deste documento à imprensa, o chefe da Seção para as Américas, Europa e Ásia Central do alto comissário, Gianni Magazzeni, disse que “necessita estabelecer os fatos e as circunstâncias do sucedido” em relação ao avião.

Desta forma, as autoridades poderão “definir as seguintes etapas” e garantir que “os responsáveis sejam julgados”, acrescentou.

No entanto, Magazzeni ressaltou que a comissão da ONU dirigida por Pillay não está diretamente envolvida com as investigações.

Em relação à situação de crise na Ucrânia, a ONU estimou hoje que 1.129 pessoas foram assassinadas desde o último mês de junho no conflito do leste da Ucrânia.

O número de vítimas mortais foi triplicado desde este mês, quando a ONU reportou 356 assassinatos.

Os combates entre as forças governamentais e os grupos rebeldes pró-russos se intensificaram nas últimas semanas nas regiões de Donestk e Lugansk, sendo que as forças governamentais conseguiram recuperar o controle da cidade de Slovyansk, uma base estratégica para os rebeldes.

Com a escalada da violência, o número de feridos agora é de 3.442 pessoas, precisou Magazzeni.

De maneira geral, o relatório assinala que “a situação no leste é desesperadora, com 104 edifícios em mãos de grupos armados, dos quais 24 são instalações militares, 16 sedes administrativas e de autoridades locais, 16 do Ministério do Interior e 7 dos Serviços de Segurança”.

Por outra parte, a missão de observadores acredita que, nos próximos, uma nova onda de deslocados pode ser registrada na península da Crimeia – anexada pela Rússia em março -, devido ao assédio que as minorias estão sofrendo na região.

“As fortes restrições, o continuo assédio e a discriminação contra ucranianos, tártaros e representantes de minorias em geral podem dar passo a um novo êxodo”, afirmou o órgão em sua avaliação.

Esses grupos étnicos e nacionais têm limitados seus direitos de reunião, de associação e de expressão, sendo que, em relação ao trabalho, os cidadãos ucranianos que vivem na Crimeia e rejeitaram a nacionalidade russa são agora considerados estrangeiros.

A ONU estima que, até agora, cerca de 14 mil pessoas deixaram a Crimeia em direção a outras partes da Ucrânia.

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

COMPARTILHE

BAIXE NOSSO APLICATIVO

RESENHA POLITICA

TEIA DIGITAL

DIRETO DE ROLIM

TEMPO REAL

PUBLICIDADE

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
pt_BRPortuguese