Cultura

Cem anos de Dorival Caymmi, um ícone da cultura brasileira

Em suas respectivas sapiências, eventualmente, os deuses das artes decidem agraciar alguns seres com certa habilidade especial – também conhecida por “talento”. Com esta dádiva em mãos, estes artistas olimpianos conseguem criar obras atemporais e divisoras de águas. Um autêntico exemplar destes gênios é o multifacetado Dorival Caymmi. Esta quarta-feira, 30 de abril de 2014, marca o centenário do nascimento de Dorival, um dos nomes mais importantes e influentes da cultura latino-americana.

A história de Dorival Caymmi começou no dia 30 de abril de 1914, na cidade de Salvador. Como músico, ator e pintor, Dorival tornou-se um dos artistas mais importantes e influentes da cultura latino-americana. Entre outras inovações, em uma época em que os intérpretes eram estrelas soberanas, Caymmi valorizou a figura do compositor.

Ainda criança, Dorival viu o despertar de seu talento para música e iniciou suas atividades artísticas no coral da igreja. Por influência do pai, que tocava violão, piano e bandolim; e da mãe, que cantava em casa, Caymmi aprendeu a tocar violão e aos 16 anos escreveu sua primeira música: “O Sertão”.

Durante sua juventude, Dorival Caymmi integrou o conjunto Três e Meio. Na mesma época, com a música “A Bahia Também Dá”, o artista venceu um concurso de sambas de Carnaval. Com uma musicalidade honesta, simples e atemporal, Dorival rompeu fronteiras. Em 1939, no filme “Banana da Terra”, o artista viu sua música ser sucesso na voz da estrela internacional Carmem Miranda, que imortalizou a canção “O Que é Que a Baiana Tem?“. E 1940, Dorival casou-se com a cantora Stella Maris. O casal teve três filhos: DoriNana eDanilo, todos músicos.

Suas canções transmitem seus sentimentos pela Bahia, pela natureza e pelo ser humano. Se os também geniais Tom Jobim e Vinicius de Moraes deram ao povo brasileiro o tesouro musical chamado “Garota de Ipanema“, Caymmi também nos brindou com a preciosa “Modinha para Gabriela“. Sua arte influenciou nomes como Chico BuarqueRoberto CarlosGal CostaLuiz Gonzaga e tantos outros. Em entrevista ao jornal português Expresso Lisboa,Caetano Veloso prestou reverência ao mestre: “escrevi 400 canções e Dorival Caymmi 70. Mas ele tem 70 canções perfeitas e eu não”.

Dorival Caymmi morreu no dia 16 de agosto de 2008, de insuficiência renal, aos 94 anos. O artista sofria de câncer renal desde 1999, quando passou por uma cirurgia e retirou um dos rins. Desde então, vivia recluso.

O brasileiro precisa aprender a não aposentar os seus ídolos, além de não celebrá-los somente em datas especiais. Viva Dorival Caymmi! Que sua obra se perpetue e chegue ao conhecimento de todas as gerações futuras.

Fonte:cifra clube news

Comentar

Print Friendly, PDF & Email
Tags

About the author

Gomes Oliveira

Add Comment

Click here to post a comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

COMPARTILHE

BAIXE NOSSO APLICATIVO

RESENHA POLITICA

TEIA DIGITAL

TEMPO REAL

PUBLICIDADE

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com