Mundo

Número de mortos em naufrágio na Coreia do Sul passa de 120

O número de mortos confirmados após o naufrágio de uma balsa na costa da Coreia do Sul chega a 121, informou a Guarda Costeira do país nesta terça-feira (22), segundo informações da rede de TV americana CNN. A embarcação Sewol virou e afundou na terça-feira (15) à noite, pelo horário de Brasília.

De acordo com a emissora americana CNN, a Guarda Costeira sul-coreana confirmou que 121 corpos foram encontrados e 181 pessoas continuam desaparecidas. Até agora, há apenas 174 sobreviventes resgatados e identificados, mas havia 476 pessoas a bordo (339 deles eram estudantes e professores em uma excursão de colégio no feriado).

Também nesta terça-feira, foi informado que o primeiro pedido de socorro vindo da balsa partiu de um menino com voz trêmula, 3 minutos depois de a embarcação fazer a curva final. O garoto ligou para o número de emergência da Coreia do Sul, que o transferiu para os bombeiros, que por sua vez acionaram a Guarda Costeira, 2 minutos depois. A esse chamado, seguiram-se outros 20 telefonemas ao serviço de emergência feitos por crianças a bordo, segundo relato de um bombeiro à agência de notícias Reuters.

O menino que fez o primeiro contato, de sobrenome Choi, está entre os desaparecidos. Segundo relato de um bombeiro ao canal de TV MBC, a voz dele tremia e transmitia urgência. “Salvem-nos! Estamos em um barco e acho que ele está afundando”, disse o garoto, segundo a agência de notícias sul-coreana Yonhap.

O bombeiro pediu, então, que o menino passasse o telefone ao capitão, e ele respondeu: “Você quer dizer ‘professor’?”. A confusão ocorreu porque, em coreano, as palavras “capitão” e “professor” têm pronúncia semelhante.

Equipes de resgate da Coreia do Sul fazem buscas nesta terça-feira (22) perto do local onde balsa naufragou (Foto: Issei Kato/Reuters)

A balsa naufragou no trajeto entre a localidade portuária de Incheon e a ilha turística de Jeju.

  • O capitão da balsa, Lee Joon-seok, de 69 anos, e outros tripulantes foram detidos sob suspeita de negligência. Além disso, a família proprietária da embarcação está sendo investigada por possíveis irregularidades financeiras.

Durante o naufrágio, os tripulantes orientaram os passageiros a não se moverem, o que a presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, disse na segunda-feira (21) ter sido o equivalente a um “ato de homicídio”.

Como é habitual na hierárquica cultura sul-coreana, muitos dos estudantes não questionaram os mais velhos e acabaram pagando com sua vida pela obediência.

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

About the author

Gomes Oliveira

Add Comment

Click here to post a comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

COMPARTILHE

BAIXE NOSSO APLICATIVO

RESENHA POLITICA

TEIA DIGITAL

DIRETO DE ROLIM

TEMPO REAL

PUBLICIDADE

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
pt_BRPortuguese