Mundo

Guerra no Iraque: Avanço de insurgentes sunitas pode redefinir fronteiras de quase cem anos do Iraque

Militantes islamistas no Iraque tomaram mais duas cidades nesta sexta-feira, aumentando as áreas sobre seu controle no país e intensificando os temores de uma ofensiva contra Bagdá.

Os islamistas sunitas do Estado Islâmico do Iraque e Levante (ISIS, na sigla em inglês) ocuparam Saadiya e Jalawla na província de Diyala. As forças de segurança do governo abandonaram suas bases na região.

O ISIS já havia ocupado anteriormente as cidades de Mosul e Tikrit. Analistas temem que os insurgentes islamistas sunitas estejam se deslocando rumo ao sul, em direção a Bagdá e outras áreas controladas pela maioria xiita, que os militantes sunitas veem como “infieis”.

Para o editor da BBC para Oriente Médio Jeremy Bowen, o avanço dos insurgentes sunitas no Iraque pode ter grande impacto, com potencial de redesenhar as fronteiras na região – que foram estabelecidas por britânicos e franceses há quase um século, após o fim da Primeira Guerra Mundial.

Bowen diz que o grupo pode almejar a criação de um emirado islamista na região, unindo partes do Iraque e da Síria que estão sob seu comando.

A ascensão do ISIS poderia provocar um conflito tanto com o governo xiita do premiê iraquiano, Nouri Maliki, quanto com o Irã, país também governado por uma maioria xiita.

Nesta sexta-feira, o principal líder religioso do país, o aiatolá Ali al-Sistani, conclamou os iraquianos xiitas a pegarem em armas contra os sunitas.

Estado islâmico

O Iraque está enfrentando a sua crise mais intensa dos últimos anos, com o país muito perto de se fragmentar em diferentes regiões, devido à ofensiva dos militantes sunitas jihadistas, que tomaram cidades no norte e no oeste do país.

Além disso, os curdos – etnia minoritária que administra de forma autônoma uma região no norte do Iraque – também tomaram uma cidade (Kirkuk), que estava sob controle do governo de Maliki.

A ofensiva dos jihadistas sunitas começou em dezembro de 2013, quando eles tomaram a cidade de Falluja e partes de Ramadi.

Apoiada por líderes tribais sunitas, esses combatentes exploram o sentimento de revolta dos árabes sunitas, que acusam o premiê do Iraque, o xiita Nouri Maliki, de discriminá-los.

Agora, seis meses depois, eles lançaram um ataque à cidade de Mosul, ao norte. Trinta mil soldados do governo iraquiano abandonaram suas armas e fugiram – ao se deparar com meros 800 militantes na cidade. Com novo ímpeto, os jihadistas agora marcham rumo ao sul, possivelmente em direção a Bagdá.

Os ataques são liderados pelo Estado Islâmico do Iraque e Levante – uma facção dissidente da al-Qaeda. Há cinco anos, os Estados Unidos haviam declarado que o ISIS estava “prestes a ser derrotado estrategicamente”.

Hoje, o grupo comanda atentados quase diários em Bagdá e vários territórios no oeste e norte do Iraque, além da Síria. Seu objetivo é estabelecer um Estado islâmico.

No entanto, as táticas brutais do ISIS – com sua interpretação extrema das leis islâmicas – fez com que rebeldes sírios preferissem se afastar desta ala dos sunitas. Mesmo assim, o grupo iraquiano ganha força e números. Muitos dos que se juntam a ele são ex-militares da época do regime de Saddam Hussein.

O governo iraquiano possui 930 mil pessoas treinadas pelos americanos para lidar com a segurança do país. Em tese, isso deveria ser mais do que o suficiente para lidar com 15 mil combatentes – o número estimado pelo ISIS.

Síria e comunidade internacional

Existe uma relação próxima entre o que acontece no Iraque e na Síria. Parece haver uma união dos rebeldes sunitas nos dois países contras ambos os governos – do premiê do Iraque, Nouri Maliki, e do presidente sírio, Bashar al-Assad, ambos xiitas.

O papel da comunidade internacional ainda não parece claro. O governo americano considera o ISIS uma ameaça à toda região e diz que estuda “todas as opções possíveis”, inclusive uma ação militar de ajuda ao governo iraquiano.

O presidente do Irã, Hassan Rouhani, diz que o ISIS é um grupo “bárbaro” e alertou que seu país não vai tolerar “essa violência e o terror”.

A Turquia alertou que poderá retaliar o ISIS, caso 80 cidadãos seus que foram sequestrados pelo grupo sejam feridos ou mortos

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

About the author

Gomes Oliveira

Add Comment

Click here to post a comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

COMPARTILHE

BAIXE NOSSO APLICATIVO

RESENHA POLITICA

TEIA DIGITAL

DIRETO DE ROLIM

TEMPO REAL

PUBLICIDADE

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
pt_BRPortuguese