Mundo

Fome aumenta no Afeganistão após chegada dos talibãs, alerta ONU

Pesquisa realizada pelo Programa Mundial de Alimentos revela que 93% dos afegãos não estão se alimentando o suficiente

Cerca de 93% das famílias no Afeganistão não estão consumindo alimentos suficientes, e três a cada quatro começaram a reduzir as refeições ou recorrer a ajuda para conseguí-las, revelou nesta sexta-feira uma pesquisa realizada pelo Programa Mundial de Alimentos (PMA) após a chegada dos talibãs ao poder.

A pesquisa, feita por telefone entre 21 de agosto e 5 de setembro nas 34 províncias do país, também indica que muitas famílias estão começando a ter problemas para conseguir alimentos ricos em proteína, como carnes e laticínios.

“Alguns pais estão pulando refeições inteiras para que possam alimentar os filhos”, denunciou a subdiretora da agência da ONU na região Ásia-Pacífico, Anthea Webb, em entrevista coletiva para os correspondentes de Genebra em seu gabinete em Bangkok.

Webb frisou que a insegurança alimentar já era um problema no Afeganistão antes da chegada dos talibãs, em 15 de agosto, mas que piorou com o novo cenário político.

Por exemplo, as famílias afegãs consumiam carne ou laticínios uma vez por semana, em média, antes de agosto. Agora, o fazem uma vez a cada 15 dias, e inclusive têm problemas para cereais suficientes, segundo dados do PMA.

“A escassez de alimentos e a perda do emprego são as principais preocupações das famílias entrevistadas”, destacou a representante do PMA, ao alertar que a situação ainda pode piorar com a chegada do inverno.

Webb destacou que as atividades do PMA continuarão apesar da mudança de regime no Afeganistão e que o programa da ONU tem como objetivo ajudar 9 milhões de pessoas por mês até novembro.

“É uma corrida contra o relógio para dar assistência vital ao povo afegão, que necessita urgentemente, antes que muitas estradas sejam interditadas pela neve”, declarou a subdiretora regional.

O PMA solicitou à comunidade internacional US$ 200 milhões para tentar alcançar suas metas anuais de ajuda, de modo a ajudar 14 milhões de afegãos até o final de 2021.

FONTE: EFE

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

About the author

Gomes

Add Comment

Click here to post a comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

COMPARTILHE

BAIXE NOSSO APLICATIVO

RESENHA POLITICA

TEIA DIGITAL

DIRETO DE ROLIM

TEMPO REAL

PUBLICIDADE

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .

PARCEIROS

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
pt_BRPortuguese