Geral

Executivo da OAS revela departamento de propina na empreiteira

Pela primeira vez, delator diz haver na empresa esquema semelhante ao da Odebrecht

 O executivo Agenor Franklin Medeiros, da OAS, afirmou ao juiz Sérgio Moro que, assim como na Odebrecht, havia um departamento de propina. Ele reafirmou que a empreiteira participou de esquema de corrupção na Petrobras e que o presidente da empresa, Léo Pinheiro, cuidava da verba destinada ao PT.— Existia uma área da empresa que trabalha na parte de vantagens indevidas. Uma área chamada controladoria, de onde doações a partidos até de forma oficial saiam — afirmou Medeiros.

Essa foi a primeira vez que um delator revela a existência de um departamento de propinas fora da Odebrecht.

Medeiros responde a processo que investiga propinas da OAS ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A denúncia do Ministério Público Federal sustenta que Lula recebeu R$ 3,7 milhões em benefício próprio — de um valor de R$ 87 milhões de corrupção – da empreiteira OAS, entre 2006 e 2012.

As acusações contra Lula são relativas ao suposto recebimento de vantagens ilícitas da empreiteira OAS por meio do triplex no Guarujá, no Solaris, e ao armazenamento de bens do acervo presidencial, de 2011 a 2016.

Triplex

Mais cedo, outro ex-diretor da OAS, Roberto Moreira Ferreira, reafirmou também em depoimento a Moro que o triplex 164-A no Edifício Solaris, no Guarujá (SP), estava “reservado” para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Roberto Ferreira afirmou que o tríplex “nunca” foi colocado para venda pública. Segundo o ex-diretor, um outro executivo contou a ele “que tinha reserva do apartamento e que não podia ser vendido”.

— Eu recebi dele [executivo] uma planilha das unidades que estavam livres ou não para vender e as que estavam livres, eu cuidava, a partir de 2014, de vender as unidades. […] Um reserva específica para ele (Lula), da unidade 164.

O Ministério Público Federal perguntou ao ex-diretor se a unidade 164-A esteve à venda na planilha. “Nunca”, afirmou Ferreira.

O Edifício Solaris era da Bancoop (Cooperativa Habitacional dos Bancários), a cooperativa fundada nos anos 1990 por um núcleo do PT. Em dificuldade financeira, a Bancoop repassou para a OAS empreendimentos inacabados, o que provocou a revolta de milhares de cooperados — eles protestam na Justiça que a empreiteira cobrou valores muito acima do previsto contratualmente. O ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto foi presidente da Bancoop.

A ex-primeira-dama Marisa Letícia (morta em 2017) assinou Termo de Adesão e Compromisso de Participação com a Bancoop e adquiriu “uma cota-parte para a implantação do empreendimento então denominado Mar Cantábrico”, atual Solaris, em abril de 2005.

Em 2009, a Bancoop repassou o empreendimento à OAS e deu duas opções aos cooperados: solicitar a devolução dos recursos financeiros integralizados no empreendimento ou adquirir uma unidade da OAS, por um valor pré-estabelecido, utilizando, como parte do pagamento, o valor já pago à Cooperativa. Em 2015, Marisa Letícia pediu a restituição dos valores colocados no empreendimento.

O ex-diretor afirmou que “soube ao final de 2013, que a Dona Marisa Letícia tinha uma cota dessa unidade 141 e que a unidade 164, tríplex, estava reservada para a dona Marisa e o ex-presidente”. O executivo declarou que “soube” que o apartamento 141 foi vendido para um terceiro.

Roberto Moreira Ferreira conta que foi um dos responsáveis pela reforma do triplex. Segundo o executivo, as obras custaram cerca de R$ 1,1 milhão.

— Tinha uma alteração na escada, tinha uma escada que ligava do primeiro pavimento para o segundo do apartamento que era uma escada redonda, helicoidal, muito ruim. Tinha, principalmente, tirar essa escada, fazer uma escada reta, acrescentar um quarto na parte de baixo, colocar piso. O apartamento era entregue no cimento, no contra piso, então, colocar piso em todas as áreas. Fazer um reparo na piscina, tinha um problema de infiltração, que aliás tem até hoje, um problema de infiltração sério na piscina, na cobertura, no último pavimento. Fazer uma adequação no deck lá de cima e colocar uma churrasqueira.

O executivo relatou ainda que houve um pedido “para colocar armários na cozinha, armários nos quartos e colocar também eletrodomésticos”.

Nesse intervalo, houve uma sugestão de Paulo Gordilho [executivo ligado à OAS] para que colocasse um elevador privativo dentro da unidade para facilitar o acesso entre os três pavimentos. […] Não era passada nenhuma justificativa, era para que fizesse para entregar para o ex-presidente.

Fonte: R7

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

COMPARTILHE

BAIXE NOSSO APLICATIVO

RESENHA POLITICA

TEIA DIGITAL

TEMPO REAL

PUBLICIDADE

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com