Mundo

Condenação de jornalistas da Al-Jazeera causa protestos internacionais

    Cairo – Um tribunal egípcio condenou nesta segunda-feira (23/6) três jornalistas da Al-Jazeera, acusados de apoiar os islamitas, entre eles o australiano Peter Greste, a uma pena de sete a 10 anos de prisão, uma sentença que provocou uma onda de protestos internacionais. Em nível internacional foi lançada uma campanha para apoiar os jornalistas com o slogan “o jornalismo não é um crime”.
Após a visita do secretário de Estado americano, John Kerry, cujo país prometeu o desbloqueio de um terço de sua importante ajuda militar ao Egito, era esperada uma absolvição. Kerry chegou a pedir que o Egito apoiasse a liberdade de imprensa.

     Greste e o egípcio-canadense Mohamed Fadel Fahmy, chefe do escritório da rede do Catar antes de sua proibição no Egito, foram condenados a sete anos de prisão, e o egípcio Baher Mohamed a 10. Entre os outros acusados, há dois jornalistas britânicos e um holandês que já se encontram no exterior e foram condenados a 10 anos de prisão.
A rede Al-Jazeera classificou o veredicto de injusto, enquanto a Austrália disse estar consternada. A Holanda, por sua vez, chamou para consultas seu embaixador no Egito e afirmou que a jornalista Rena Netjes não havia tido direito “a um julgamento justo”, ressaltando que o caso será tratado com a União Europeia.

    O Egito considera a rede de televisão como uma porta-voz do Catar, país criticado por seu apoio à Irmandade Muçulmana, enquanto Doha denuncia abertamente as repressões contra os partidários do presidente deposto Mohamed Mursi.

“A detenção de nossos companheiros não tem nenhuma justificativa. É uma vergonha que tenham ficado detidos por 177 dias e a condenação também é ilógica, falta de sentido comum e aparentemente de justiça”, declarou a rede do pequeno emirado após o anúncio do veredicto.

Das 20 pessoas julgadas neste caso, 16 egípcios foram acusados de pertencer a uma organização terrorista, a Irmandade Muçulmana, e de ter tentado “prejudicar a imagem do Egito”, e quatro estrangeiros de ter publicado informações falsas para apoiar o grupo. Após o anúncio do veredicto, Fadel Fahmy gritou: “Vão pagar por isso, vão pagar por isso, eu juro!”.

“Estamos destruídos, é difícil encontrar as palavras para descrever o que sentimos. Não esperávamos nada disso, pensávamos que seria absolvido”, declarou Andrew Greste, cujo irmão trabalhou anteriormente para a BBC e recebeu vários prêmios. “Vamos lutar por sua libertação”, acrescentou.

Não haverá indulto por ora

Um funcionário da presidência egípcia declarou à AFP que nenhum indulto será concedido no momento e que não é possível intervir até que um tribunal de apelação se pronuncie sobre o assunto.

Chabane Said, advogado da defesa, denunciou que se tratava de uma sentença política. “Não há nenhuma prova contra os acusados. Todos os jornalistas devem se preocupar a partir de agora: não há justiça, é a política que dita a lei”, disse.

O veredicto é divulgado duas semanas após a eleição à presidência do ex-chefe militar Abdel Fatah al-Sissi com 96,9% dos votos. O marechal dirigia de fato o país desde que derrubou e prendeu o presidente anterior, Mohamed Mursi, no dia 3 de julho de 2013, e lançou uma sangrenta repressão contra toda a oposição política.

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

About the author

Gomes Oliveira

Add Comment

Click here to post a comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

COMPARTILHE

BAIXE NOSSO APLICATIVO

RESENHA POLITICA

TEIA DIGITAL

DIRETO DE ROLIM

TEMPO REAL

PUBLICIDADE

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
pt_BRPortuguese