Esporte

ARTILHEIRO EDMILSON MARCA, VASCO ELIMINA O FLU E PEGA O FLA NA DECISÃO

O Vasco é o segundo finalista do Campeonato Carioca. O Cruz-Maltino fez o que precisava neste domingo: venceu o Fluminense, que jogava pelo empate, por 1 a 0, para 15.925 pagantes (19.586 presentes) pagantes no Maracanã. Edmílson fez o gol. O resultado deste domingo garantiu a equipe de Adilson Batista na decisão do Campeonato Carioca contra o Flamengo. Agora será preciso superar o trauma dos últimos anos, com quatro decisões de estadual perdidas (1999, 2000, 2001 e 2004) e uma pela Copa do Brasil (2006) contra os rubro-negros. Ainda, o Vasco precisa encerrar o jejum sem títulos estaduais. O último foi em 2003.

Há mais de dois anos os cruz-maltinos não perdem para os tricolores – cinco vitórias e três empates neste período. Nos últimos 20, números impressionantes: 33 triunfos vascaínos, contra 13 do Flu – 32 empates.

A decisão do Carioca se dará em dois jogos, nos próximos domingos. O Flamengo tem a vantagem de poder empatar duas vezes para ficar com a taça. Após a semifinal, Edmilson, autor do gol vascaíno e artilheiro isolado do Carioca, com 11, festejou o resultado e dividiu os méritos com os companheiros.

– Vitória do grupo, não fiz sozinho. Todos foram bem. A torcida acredita na gente por tudo o que aconteceu no passado. Tem que descansar, não tem nada decidido. Falta pouco. O mais importante é que é uma decisão, estamos nela e tudo pode acontecer – destacou o atacante.

No lado tricolor, o atacante Rafael Sobis reclamou do que considerou cera dos atletas do Vasco no segundo tempo, quando estavam em vantagem.

– Pegamos um time bem postado, que sabe o que quer. Mas o juiz só dar três minutos de acréscimo, com o Vasco fazendo cera o tempo todo… Ele minou o jogo – lamentou.

Antes de se preocupar com os rubro-negros, o Vasco pega na quinta-feira o Resende, pela Copa do Brasil, na Arena Amazônia, jogo de ida da primeira fase. O Fluminense volta a campo em 10 de abril, em jogo de volta da Copa do Brasil, contra o Horizonte, no Rio.

edmilson fluminense x vasco (Foto: Marcos Arcoverde/Agência Estadp)

 

Renato Gaúcho tinha duas possibilidades para o lugar do suspenso Jean: o volante Rafinha e o meia Wagner. Justificou a escolha pelo primeiro por uma questão de marcação, já que Fred, Walter e Conca ficariam mais liberados para armar jogadas ofensivas. Adilson Batista optou pela mesma base da primeira partida, trocou apenas Marlon por Diego Renan na lateral esquerda.

O jogo é que parecia previsível em termo de postura. O Fluminense foi mais cauteloso. O empate lhe bastava. Mas chamou a atenção a pouca criatividade. Era chutão atrás de chutão. E tome bola levantada – 11 ao todo -, a maioria em faltas cometidas pelo adversário. Ao Vasco interessava atacar. Com a bola no chão. Um pouco com Everton Costa pela direita, com Diego Renan arriscando de fora da área, e Edmilson buscando a bola ideal para finalizar – teve duas chances.

A posse de bola traduzia um pouco do clássico: 64% para os cruz-maltinos e 36% para os tricolores. Walter poderia ter mostrado que eram apenas números quando escorou bem um cruzamento e parou nos pés de Martín Silva – Fred ainda teve um gol bem anulado pela arbitragem. Edmilson provou que a posse de bola em algum momento funcionaria. Aos 44 minutos do segundo tempo, a mesma arma de levantar bola na área que o Flu usava, virou de lado. Rodrigo tocou após cobrança de falta de Douglas e Edmilson, livre, conseguiu a chance que precisava e escorou de cabeça: 1 a 0.

Time segura resultado

Fred Fluminense Vasco (Foto: Nelson Perez / Fluminense FC)

O resultado parcial tornou previsível o que mudaria no Fluminense na volta para o segundo tempo. Wagner, que disputou antes do jogo com Rafinha a preferência, entrou. Mas no lugar de Diguinho, que sentiu dores. Pouca variação na posse de bola, porém, ainda com vantagem cruz-maltina: 60% a 40%. Não raro eram os chutes de fora do Vasco, e, em um de Douglas, Cavalieri se esticou todo para defender.

A torcida tricolor só se animou um pouco quando viu que Rafael Sobis entraria. Saiu Walter. Depois veio Biro Biro na vaga de Rafinha. Renato abriu o time de vez. Adilson reagiu rapidamente. Saiu o atacante Reginaldo para entrar o volante Fellipe Bastos. Depois seis por meia dúzia tratando-se de posicionamento: Diego Renan por Marlon.

Começou a pegar fogo então. O Flu foi com o que tinha para frente. O Vasco aproveitava para pegar contra-ataques, tirando proveito de falhas defensivas do adversário. E os tricolores tiveram até Diego Cavalieri na área, em um dos últimos lances da partida, em cobrança de falta de Conca na área. Não teve jeito. A torcida vascaína cantou: é o destino.

 

Comentar

Print Friendly, PDF & Email
Tags

About the author

Gomes Oliveira

Add Comment

Click here to post a comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

COMPARTILHE

BAIXE NOSSO APLICATIVO

RESENHA POLITICA

TEIA DIGITAL

TEMPO REAL

PUBLICIDADE

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com