Policial

Operação Zagreu: Emendas previam repasse de mais de R$ 3 milhões para festas sem caráter público

Em entrevista coletiva concedida nesta segunda-feira (15), o Ministério Público de Rondônia informou que só em 2014 quatro associações culturais classificadas como de pouca expressão, algumas delas sem possuir sequer sede própria, receberiam o montante de R$ 3 milhões e 766 mil, por meio de emendas parlamentares, para a realização de festas que teriam caráter meramente empresarial e lucrativo, desprovidas de qualquer aspecto cultural ou público, conforme exige  a Lei nesses casos.

O esquema foi desarticulado durante a Operação Zagreu, deflagrada pelo MPRO, por meio do  Centro de Atividades Judicais – CAEJ e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado – GAECO, em parceria com o Tribunal de Contas do Estado e com o apoio da Polícia Militar.

Pelo menos duas pessoas foram presas, havendo até as 17h desta segunda um mandado de prisão em aberto. Foram cumpridos seis mandados de busca e apreensão, além de quatro ordens de suspensão da função pública, sendo uma delas para um servidor da Casa Civil e as outras três para servidores da Assembleia Legislativa e Secretaria de Estado Cultura e Lazer (Secel). Outras medidas expedidas referem-se à proibição de acesso a órgãos públicos e indisponibilidade de bens.

Conforme explicou o Procurador-Geral de Justiça, Héverton Alves de Aguiar, a organização criminosa se instalou nos Poderes Executivo e Legislativo, com o propósito de desviar verbas públicas mediante o direcionamento de emendas parlamentares para entidades do terceiro setor, utilizadas como ‘laranjas’ para a realização de supostos eventos festivos públicos.

Para obterem essa finalidade, apura-se que os membros da organização tenham praticado crimes como falsidade ideológica, peculato e advocacia administrativa. O MP investiga casos que apontam a realização de eventos públicos no mesmo dia, horário  e lugar que atividades de caráter empresarial. Tal sobreposição tinha como objetivo o uso propositado da estrutura contratada com o dinheiro público para fins comerciais.

Servidores – De acordo com o que foi informado em coletiva de imprensa, a ação da organização tinha a efetiva participação de servidores públicos  e empresários. Sobre os um grupo de servidores Secel recaem suspeitas de ignorar falhas em projetos de eventos irregulares e de se omitir na  fiscalização e prestação de contas destes. Também há indícios de envolvimento de servidores da Assembleia Legislativa.

São investigadas de participar do esquema as entidades Associação Cultural Evolução; Sociedade Carnavalesca Arco-Íris; Rádio Comunitária Educativa Verde Amazônia FM e a Oscip Pais e Filhos.

Segundo detalhou o Procurador-Geral, essas organizações seriam beneficiadas este ano com R$ 3 milhões e 766 mil, previstos em emendas. Ao apurar as irregularidades, ainda no primeiro semestre de 2014, o MP conseguiu impedir o repasse de R$ 1 milhão e 300 mil. Porém, pelo menos R$ 2 milhões e 400 mil já haviam sido liberados às entidades.

Deputados  – Conforme afirmou o chefe do Ministério Público, o MP apura, ainda, a participação de oito deputados no esquema. “O que precisamos saber é se esses parlamentares obtêm algum tipo de vantagem financeira oriunda dessas emendas”, disse o Procurador-Geral, ressaltando que o Ministério Público buscará a responsabilização de integrantes do Legislativo que estejam comprovadamente envolvidos.

Fonte: Ascom MPRO

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

About the author

Gomes Oliveira

Add Comment

Click here to post a comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

COMPARTILHE

BAIXE NOSSO APLICATIVO

RESENHA POLITICA

TEIA DIGITAL

DIRETO DE ROLIM

TEMPO REAL

PUBLICIDADE

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .

PARCEIROS

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
pt_BRPortuguese