Cidades

Nível do Madeira chega a 19,19 m e estrada de ferro é interditada, em RO

Defesa Civil alerta para segurança e risco de doenças por água contaminada.
Marinha fiscalizará embarcações; isolamento deve ser concluído até sexta.

Duzentos metros da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré (EFMM) serão interditados até a próxima sexta-feira (20), em Porto Velho. Tapumes isolarão os barracões e as peças tombadas como patrimônio histórico e cultural, que estão submersos pela cheia do Rio Madeira.  A preocupação maior das autoridades é com a contração de doenças tropicais e o risco de afogamento de crianças, que se arriscam para registrar a enchente em fotografias. O nível do Rio Madeira alcançou 19,19 metros nesta terça-feira (18),  de acordo com a Agência Nacional de Águas (ANA), uma alta de 5 centímetros em 24 horas.

“Já não consideramos aquele local como ponto turístico neste momento. A interdição é por medida de segurança e prevenção a doenças”, informou o coronel Demargli Farias, do Corpo de Bombeiros.  A Polícia Militar fará rondas de hora em hora, alertando sobre o perigo. Os turistas e populares residentes na capital só poderão registrar a enchentes, por fotos e vídeo, de uma distância estimada em 30 metros desde a margem do rio.

RO Rio Madeira (Foto: Ivanete Damasceno/G1)
Poluição traz riscos de doenças
(Foto: Ivanete Damasceno/G1)

Segundo a Defesa Civil, a Marinha do Brasil já foi acionada para controlar o tráfego de embarcações no porto. “Certamente, aqueles que não possuírem autorização serão autuados”, afirmou o coronel.  Segundo ele, “nem toda a rede elétrica foi desativada, aumentando o risco”.

Por meio de sua assessoria, a Eletrobras Distribuição Rondônia informou que recebeu o comunicado da Defesa Civil sobre a situação e que as devidas providências estão sendo tomadas.

A poluição, de tão intensa, ameaça humanos, causa danos ambientais e está matando várias espécies de peixes. Os alevinos aparecem mortos e chamam a atenção de populares. “Eu costumava pescar aqui. O cenário é de um desastre lamentável”, disse Aurélio Peçanha, desempregado.

A gari Marilda Regina, de 57 anos, disse trabalhar numa distância segura. “Todo dia aparece uma cobra por aqui”, afirma.

Comentar

Print Friendly, PDF & Email
Tags

COMPARTILHE

BAIXE NOSSO APLICATIVO

RESENHA POLITICA

TEIA DIGITAL

DIRETO DE ROLIM

TEMPO REAL

PUBLICIDADE

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
pt_BRPortuguese