Resenha Politica

Com  a proximidade das eleições de 2022 os caciques começam a arregimentar filiados com possibilidades eleitorais para garantir o coeficiente eleitoral e o maior número de eleitos, visto que não há mais coligações – Por Róbson Oliveira

FILIAÇÕES 

Com  a proximidade das eleições de 2022 os caciques começam a arregimentar filiados com possibilidades eleitorais para garantir o coeficiente eleitoral e o maior número de eleitos, visto que não há mais coligações. PSD, PSDB, MDB, DEM E PODEMOS saíram na frente. O PSL perdeu Marcos Rocha e não tem conseguido seduzir nomes densos para sua legenda.

MENU 

Embora ainda haja alguma ligação no estado entre Democratas e Tucanos, as relações dos principais caciques das legendas, senador Marcos Rogério e o prefeito da capital Hildon Chaves, andaram estremecidas depois que ambos passaram a ser especulados como prováveis candidatos a candidatos a governador. Os bombeiros das duas legendas entraram em campo e agiram rápido para apaziguar os ânimos. Domingo passado jantaram juntos e o cardápio devorado constava os adversários já conhecidos.

VONTADE 

Perguntado sobre a hipótese de uma candidatura ao Governo de Rondônia o prefeito Hildon Chaves desconversa, apesar de que no semblante é perceptível a satisfação. Com o período das chuvas cessando nos próximos quarenta dias o prefeito pretende manter um ritmo de asfaltamento intenso, dando visibilidade à gestão. Quem o conhece sabe que a vontade de governar o estado é grande, mesmo tendo no grupo político outro pretendente à vaga que fará de tudo para inviabilizá-lo.

INERTE 

Já o governador Marcos Rocha, ainda sem partido, se mantém inerte em relação à reeleição. Evita comentar publicamente sobre o tema e em privado avalia as probabilidades eleitorais. Como é um dos governantes que venceu as eleições passadas no vácuo do atual presidente Bolsonaro, não conseguiu até o momento atrair para um eventual projeto de reeleição alguém com capilaridade eleitoral capaz de ajudar a catapultá-lo para o segundo mandato. Em 2022 será compelido a defender os feitos da sua administração e obrigado a se defender das críticas dos adversários, o que exigirá muito mais do candidato do que a suposta amizade com Bolsonaro, o que, aliás, não serviu para trazer o volume consistente de recursos para Rondônia tão prometido em 2018.

PESQUISA 

A coluna está monitorando de longe duas pesquisas que estão sendo encomendadas para maio sobre a sucessão estadual. Nesta terça-feira (6), pela primeira vez, uma pesquisa nacional mostra que se as eleições fossem hoje o ex-presidente Lula venceria em todos os cenários, inclusive contra Jair Bolsonaro. A pesquisa é de responsabilidade da XP, a queridinha do mercado financeiro nacional.

ISOLADO 

Mesmo em queda, Rondônia é um dos pouquíssimos estados onde o presidente ainda goza de popularidade, apesar de que esta aprovação aparentemente não é suficiente para melhorar a imagem do governador, que com a incapacidade de conter a pandemia e vacinar a população ficou destroçada. Como não há em curso uma revoada partidária em direção à reeleição do governador – adesões que sempre ocorreram em reeleições -, as pesquisas servirão de guia para os caciques definirem o futuro.  Marcos Rocha continua sem partido, sem vacinas e sem defensores. Vive isolado, literalmente.

DERROCADA 

Ainda é muito cedo para cravar um prognóstico eleitoral porque a política é como nuvem: “você olha ela está de um jeito, olha de novo e ela já mudou”. Mas a pesquisa da XP/IPESP é um indicativo de que o bolsonarismo começa a cair avassaladoramente na mesma velocidade que aumentam os óbitos pela Covid.

QUINTA COLUNA 

Nem o kit precoce, composto por um vermífugo, um remédio para malária e um antibiótico,  tem ajudado a conter a derrocada do capitão, mesmo com a ajuda de parte dos médicos brasileiros que prescreve e defende a infamante medicação contra a Covid-19, sem comprovação científica. Essa quinta coluna também não acredita em pesquisa e tem contestado nas redes sociais os números apontando a derrocada do capitão. E a população tem percebido a incompetência do governo ao lidar com a pandemia, a mesma que nos Estados Unidos ajudou a sepultar a reeleição de Donald Trump e tende a se repetir abaixo da linha do Equador, conforme pesquisa.

ZÉ DO GORRO 

O Secretário estadual da Saúde Fernando Máximo usa em qualquer ocasião um gorro (não é o hospitalar) como marca própria que o diferencia entre os auxiliares do governo. Máximo não dispensa o gorro nem quando viaja para outros estados e embarca nas aeronaves parlamentado com paletó, grava e o indefectível gorro. Em razão o acessório já ganhou o epíteto de “Zé do Gorro”.  De pandemia o secretário entende pouco, mas é eficiente em chamar atenção com o marketing no quengo.

AUTOR: RÓBSON OLIVEIRA  –  JORNALISTA –  COLUNA RESENHA POLITICA

  • A opinião dos colunistas colaboradores não reflete necessariamente a posição da Folha Rondoniense

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

About the author

Gomes

Add Comment

Click here to post a comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

BAIXE NOSSO APLICATIVO

RESENHA POLÍTICA

TEIA DIGITAL

TEMPO REAL

DIRETO DE ROLIM

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PARCEIROS

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com