Politica

‘Aborto é mais que necessário, é recomendado’, diz Mourão sobre caso de criança estuprada

Em entrevista à BBC News Brasil, vice-presidente também questiona se medidas de isolamento rígidas teriam efeito no país para combater o coronavírus: ‘Brasil é um país desigual e o brasileiro, um povo indisciplinado’.

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou na segunda-feira (17/08) que, no caso da criança de 10 anos de idade que engravidou após ser repetidamente estuprada pelo tio, “o aborto é mais que necessário, é recomendado”.

“Esse é um crime que foi cometido contra esta criança. O nosso Código Penal é claro, em casos como esse o aborto é mais que necessário, é recomendado. Como é que uma menina de 10 anos de idade vai ter um filho e vai criar um filho? Isso é um absurdo”, disse o vice-presidente em entrevista à BBC News Brasil.

O caso da criança violentada chocou o país no fim de semana. A menina foi transferida do Espírito Santo para Pernambuco, onde passou por um procedimento abortivo.

Militantes bolsonaristas, como Sara Giromini, divulgaram dados da criança nas redes sociais, incluindo seu nome. No domingo, manifestantes antiaborto chegaram a se concentrar em frente ao hospital onde a criança era tratada.

Na entrevista à BBC News Brasil, Mourão também falou sobre a pandemia de coronavírus e questionou se medidas de distanciamento rígidas poderiam funcionar plenamente no país.

“O Brasil é um país desigual e o brasileiro, um povo indisciplinado. Não adianta querer dizer que, uma ordem de Brasília que dissesse ‘atenção, vai todo mundo ficar em casa’, (que) ninguém iria sair, isso não iria acontecer”, disse.

O vice-presidente também foi questionado sobre o aumento no desmatamento na Amazônia no último ano e comentou reportagem da revista Piauí que afirma que o presidente Jair Bolsonaro teria ameaçado “intervir” no STF em reunião com ministros.

“Eu acho difícil o presidente ter dito isso, porque, como é que ele vai intervir no STF? Não há condições, nós vivemos na democracia plena”, afirmou.

Leia a seguir a entrevista.

BBC News Brasil – O Brasil discute o caso de uma criança de 10 anos que foi repetidamente estuprada pelo tio e acabou engravidando. Ela teve que deixar seu Estado para realizar um aborto em Pernambuco, aborto este previsto em lei. Uma militante bolsonarista, ex-assessora da ministra Damares Alves (ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos), divulgou o local da cirurgia e o nome da criança, o que levou algumas pessoas a protestarem em frente ao hospital. O senhor é a favor do aborto em um caso como esse? Como vê os protestos em frente ao hospital?

Hamilton Mourão – São coisas do mundo em que nós estamos vivendo, né. Esse é um crime que foi cometido contra essa criança. O nosso Código Penal é claro, em casos como esse o aborto é mais que necessário, é recomendado. Como é que uma menina de 10 anos de idade vai ter um filho e vai criar um filho? Isso é um absurdo.

Agora, há algumas pessoas que, na sua ânsia da defesa da vida, elas têm que compreender que cada caso é um caso, e este é um caso muito claro onde a lei tem que ser cumprida. Para mim é simples isso aí.

BBC News Brasil – O senhor disse que o auxílio emergencial, o chamado coronavoucher, deu um gás na popularidade do presidente, e as pesquisas realmente mostraram isso. Em 2018, no entanto, o senhor disse sobre o Bolsa Família que as pessoas deveriam crescer “por seus méritos e não por esmolas”. Já o presidente Bolsonaro disse em 2011 que o Bolsa Família cria “eleitores de cabresto do PT”. Por que o governo está adotando uma medida tão parecida com o petismo? O senhor mudou de ideia? O presidente mudou de ideia?

Mourão – Eu acho que um programa de assistência social deve ser quantificado pelo seu sucesso pelo número de pessoas que saem dele para ingressar no mercado de trabalho. Ele tem que preparar as pessoas para ingressar no mercado de trabalho, auxiliando-as naquele momento de dificuldade, e não mantendo-as eternamente aguardando aquele dinheirinho que o governo coloca no final do mês na conta da pessoa.

No caso específico do coronavoucher, aí é totalmente distinto, o auxílio emergencial. Ele foi concebido exatamente para auxiliar aquelas pessoas que perderam a sua capacidade de ganhar sua vida, principalmente os nossos trabalhadores informais, aquela turma que sai todo dia para vender o almoço para poder ter alguma coisa para jantar.

E na discussão, na disputa, entre governo e Congresso se chegou a esse valor de R$ 600, que foi um valor realmente grande, sendo que algumas famílias receberam dobrado, que eram as famílias chefiadas por mulheres, receberam R$ 1.200. Óbvio que foi uma injeção de dinheiro na veia de parcela extremamente necessitada da população brasileira.

Agora, a visão nossa, do governo e a minha visão em particular é essa: um programa social tem que ter como finalidade principal o ingresso da pessoa no mercado de trabalho, a liberdade da pessoa, e não a pessoa ficar eternamente dependendo daquele recurso.

BBC News Brasil – Mas o senhor é a favor de uma continuidade do programa, eventualmente, após o fim da pandemia, mesmo que seja outro valor?

Mourão – A minha visão é que existe essa ideia que o governo está estudando de criar um programa de renda mínima, mas tem que ter parâmetros nisto aí. E óbvio, esse programa tem que auxiliar aquelas pessoas em seu momento de necessidade, mas prepará-las para o avanço seguinte, (para) sair desta situação.

Ou seja, o governo tem que ter a capacidade de criar as facilidades para que empregos sejam gerados e a pessoa tenha sua renda e sua dignidade.

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

About the author

Marcio Martins martins

Add Comment

Click here to post a comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com