Mundo

Talibã anuncia captura do último foco de resistência no Afeganistão

Grupo anti-Taliban nega derrota e garante que seus combatentes mantêm “posições estratégicas” no vale de Panjshir

O Talibã anunciou nesta segunda-feira (6) que “capturou por completo” o vale de Panjshir, onde estavam entrincheiradas as últimas forças de resistência do Afeganistão e advertiram que responderão a novas tentativas de insurgência.

Depois que os talibãs anunciaram vitória, a resistência anti-Talibã respondeu que seus combatentes mantêm “posições estratégicas” no vale e que a luta contra os talibãs e seus aliados continuará”. Horas depois, o líder do grupo, Ahmad Massud, convocou um “levante nacional” contra o Talibã.

“Onde quer que vocês estejam, dentro ou fora [do Afeganistão], convoco para que iniciem um levante nacional pela dignidade, liberdade e prosperidade de nosso país”, declarou Massud em mensagem de áudio enviada aos meios de comunicação.

Após a vitória fulminante sobre as tropas governamentais em agosto e a retirada das tropas dos Estados Unidos na semana passada, depois de 20 anos de guerra, os talibãs tentavam sufocar a resistência concentrada no montanhosos vale de Panjshir, perto de Cabul.

“Com esta vitória, nosso país saiu por completo do pântano da guerra. As pessoas viverão agora em liberdade, paz e prosperidade”, afirmou o principal porta-voz do movimento islamita, Zabihullah Mujahid, em um comunicado.

Em uma entrevista coletiva posterior em Cabul, o porta-voz advertiu contra novas tentativas de insurgência e convocou os integrantes das Forças Armadas do governo anterior a aderir às tropas do novo regime. “O Emirado Islâmico é muito sensível às insurgências. Qualquer um que tentar iniciar uma insurgência será atacado com firmeza. Não permitiremos outra”, afirmou.

Após a queda de Cabul em 15 de agosto, as forças contrárias às novas autoridades formaram no vale de Panjshir a FNR (Frente Nacional de Resistência). O grupo é formado por milicianos locais leais a Ahmad Massud, filho do famoso comandante Ahmed Shah Massud que enfrentou os soviéticos e os talibãs, e por remanescentes do derrotado exército afegão.

O vale de Panjshir é famoso por ter resistido à ocupação soviética e ao primeiro governo Talibã (1996-2001). Imagens publicadas nas redes sociais pelo Talibã mostram os talibãs no gabinete do governador da província de Panjshir e bandeiras do movimento por todos os lados.

Na madrugada de segunda-feira, a FNR reconheceu muitas baixas em combates durante o fim de semana e pediu um cessar-fogo. O Irã, que tem uma grande fronteira com o Afeganistão, condenou a ofensiva Talibã no vale de Panjshir, depois de várias semanas em que evitou criticar as ações das novas autoridades afegãs.

Três semanas após a conquista da capital Cabul, o Talibã ainda trabalha na formação do governo. O anúncio estava previsto para o fim de semana, mas foi adiado. Mujahid explicou nesta segunda-feira que a formação de um governo interino será anunciado nos próximos dias, após a solução de “questões técnicas”.

O grupo prometeu em várias ocasiões um Executivo mais “inclusivo” e representativo da variedade étnica que durante seu primeiro regime, baseado em uma interpretação muito rigorosa da lei islâmica.

A inclusão de mulheres é improvável. Durante o primeiro governo Talibã, os direitos das mulheres foram muito prejudicados, com proibição de estudar, trabalhar ou sair às ruas sozinhas.

O representante talibã para a Educação afirmou no domingo que as mulheres serão autorizadas a frequentar a universidade, caso as aulas sejam segregadas por sexos ou separadas por uma cortina.

As estudantes também deverão vestir o longo véu que cobre todo o corpo e um niqab que tape o rosto, mas não será necessário utilizar burca, que tem apenas uma pequena abertura na altura dos olhos.

A tomada do poder acarreta múltiplos desafios para o Talibã, incluindo as necessidades humanitárias de grande parte da população que precisa de assistência internacional. O enviado humanitário da ONU, Martin Griffiths, chegou a Cabul para uma reunião com o comando talibã.

“As autoridades afirmaram que a segurança dos funcionários do setor humanitário e o acesso de ajuda humanitária às pessoas necessitadas estarão garantidos, e que os trabalhadores humanitários (tanto homens como mulheres) terão garantida a liberdade de movimento”, afirmou em um comunicado o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric.

FONTE: AFP

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

About the author

Marcio Martins martins

Add Comment

Click here to post a comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com