Mundo

Rebeldes passam a apoiar protestos contra golpe militar em Mianmar

Dez facções que tinham acordo de cessar-fogo com exército anunciaram que vão rever trato após morte de centenas de civis

Dez das principais facções rebeldes em Mianmar vão “rever” o acordo de paz assinado em 2015 com o exército, em resposta à repressão mortal do regime militar ao movimento pró-democracia. O anúncio foi feito neste sábado (3).

Mais de 12 mil refugiados fugiram dos bombardeios aéreos do exército do país nos últimos dias, disse um desses grupos, a poderosa União Nacional Karen (KNU), que apelou às minorias étnicas do país para se unirem contra os militares.

Desde a independência de Mianmar em 1948, muitas facções étnicas armadas estão em conflito com o governo central por causa de maior autonomia, reconhecimento de sua especificidade, acesso aos muitos recursos naturais do país ou parte do lucrativo comércio de drogas.

Em 2015, o exército chegou a um acordo de cessar-fogo com dez das facções, incluindo a KNU, um dos maiores grupos armados do país.

Pouco depois do golpe de 1º de fevereiro que derrubou o governo civil de Aung San Suu Kyi, esses grupos rebeldes garantiram que continuariam com o cessar-fogo, apesar da repressão dos generais.

Desde então, “centenas de civis, menores, adolescentes e mulheres foram mortos” pelas forças de segurança, escreveram eles em um comunicado no sábado (3).

Por este motivo, as dez facções, que iniciaram hoje uma reunião de dois dias, vão “rever” sua posição no acordo de cessar-fogo, acrescentaram.

Guerra civil?

A KNU é especialmente virulenta contra os militares. Em resposta ao banho de sangue das forças de segurança contra os oponentes anti-golpe, a KNU invadiu uma base militar no estado de Karen, no sudeste, na semana passada e matou 10 soldados.

Em retaliação, o exército realizou ataques aéreos contra redutos da KNU, os primeiros em duas décadas nesta região. “Muitos civis morreram, entre eles menores e estudantes. Escolas, casas e vilas foram destruídas”, disse a KNU.

“Pedimos a todas as minorias étnicas do país […] que realizem ações enérgicas e adotem sanções” contra os responsáveis, afirmou.

Por sua vez, o porta-voz da junta militar, Zaw Min Tun, disse à AFP no sábado que espera “que a maioria dos membros do KNU respeite o cessar-fogo”.

Outros grupos armados já apoiaram a mobilização democrática e ameaçaram pegar novamente em armas contra a junta, que reprime a revolta com sangue e fogo.

A emissária das Nações Unidas (ONU) para Mianmar, Christine Schraner Burgener, alertou esta semana para o risco “sem precedentes” de uma “guerra civil” neste país.

Pelo menos 550 civis foram mortos a tiros pelas forças de segurança nos últimos dois meses, de acordo com a Associação de Ajuda a Presos Políticos (AAPP).

Poderia haver muito mais, já que mais de 2.700 pessoas foram detidas, sem acesso a familiares e advogados. Muitos estão desaparecidos.

Na sexta-feira, foram emitidos mandados de prisão contra várias figuras proeminentes no país, incluindo cantores e modelos, de acordo com a mídia estatal.

Três membros de uma família, incluindo duas irmãs, que falavam com uma emissora americana, autorizado a entrevistar funcionários do conselho, foram presos. “Oramos para que eles não tenham sido mortos”, disse um de seus associados próximos à AFP.

Uma mídia local disse que eles fizeram a saudação de três dedos, um gesto de resistência, enquanto falavam com o jornalista.

O conselho também bloqueou o acesso à internet para a grande maioria da população. Mas o movimento pró-democracia tenta encontrar alternativas para se organizar.

“Essa loucura deve acabar”

Em Dawei, no sul do país, jovens marcharam no sábado com bandeiras vermelhas da Liga Nacional para a Democracia (NLD) de Aung San Suu Kyi.

Outras reuniões foram realizadas em todo o país e pelo menos três pessoas morreram e vários ficaram feridos, disseram testemunhas à AFP.

“A junta agora está usando granadas, metralhadoras e outras armas de guerra contra o povo. Essa loucura deve acabar”, tuitou o Relator Especial da ONU Tom Andrews, pedindo o estabelecimento de um embargo de armas.

Mas o Conselho de Segurança da ONU continua dividido. China e Rússia se opõem categoricamente à ideia de sanções impostas pela ONU, ao contrário dos Estados Unidos e do Reino Unido, que já as impuseram.

Os militares, que fazem ouvidos moucos às condenações internacionais, justificaram o golpe com uma suposta fraude massiva durante as eleições de novembro, que foram vencidas pela esmagadora maioria pelo partido do ganhador do Prêmio Nobel da Paz em 1991, de 75 anos.

FONTE: AFP

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

BAIXE NOSSO APLICATIVO

RESENHA POLÍTICA

TEIA DIGITAL

TEMPO REAL

DIRETO DE ROLIM

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PARCEIROS

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com