Mundo

Fumio Kishida é eleito o novo primeiro-ministro do Japão

Parlamento definiu o substituto de Yoshihide Suga, que deixa o cargo após um ano

O parlamento do Japão elegeu, nesta segunda-feira (4), Fumio Kishida como primeiro-ministro do país, e o novo líder deve anunciar um gabinete que incluirá membros do governo e novos rostos.

Kishida, descendente de uma família política de Hiroshima, foi eleito presidente do Partido Liberal Democrático (PLD) na última quarta-feira, derrotando o popular chefe da campanha de vacinação, Taro Kono.

Dado que a coalizão governista do PLD tem uma grande maioria legislativa, Kishida teve a garantia de uma votação no parlamento para se tornar chefe de governo da terceira maior economia do mundo.

Antes da votação, Kishida disse que está pronto para assumir o alto cargo. “Acho que será um novo começo no verdadeiro sentido”, disse ele a repórteres. “Quero enfrentar os desafios com determinação e firme determinação para o futuro”, acrescentou.

Poucas mudanças

Kishida é considerado uma figura confiável e não deve mudar significativamente as políticas do atual governo. Sua eleição aconteceu depois que o primeiro-ministro Yoshihide Suga, que renunciou na segunda-feira de manhã, anunciou que não aspiraria mais ser o líder do PLD após apenas um ano no cargo.

Kishida deve apresentar seu novo gabinete na tarde desta segunda-feira, mas detalhes publicados pela mídia local sugerem que várias pastas importantes permaneceriam nas mãos de seus atuais ocupantes.

Entre eles estão o ministro das Relações Exteriores, Toshimitsu Motegi, e o ministro da Defesa, Nobuo Kishi, segundo a mídia local. O gabinete deve incluir três mulheres, incluindo Seiko Noda, que aspirava à liderança do PLD e será a ministra encarregada de combater a queda na taxa de natalidade no Japão.

Kishida terá inúmeros desafios, desde tentar dirigir a economia na era pós-pandemia até enfrentar ameaças militares da Coreia do Norte e da China. Ele também liderará o PLD nas eleições gerais, marcadas para novembro, embora a mídia local tenha informado que Kishida deseja que elas sejam realizadas em 31 de outubro.

Espera-se que o partido no poder e seus parceiros de coalizão retenham o poder nessas eleições, mas podem perder algumas cadeiras devido à indignação do público com a resposta do governo ao coronavírus.

A popularidade do governo de Suga caiu drasticamente enquanto lutava para conter ondas de infecções por Covid-19, incluindo um surto recorde durante os Jogos de Tóquio em julho passado.

Em sua campanha pela liderança do PLD, Kishida enfatizou seus planos para corrigir os erros do governo com a pandemia e se comprometeu a pressionar por um novo estímulo econômico.

FONTE: AFP

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

About the author

Gomes

Add Comment

Click here to post a comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com