Mundo

Centro-esquerda vence eleições na Alemanha, indicam resultados iniciais

Partido Social-Democrata vence por pequena margem de erro a legenda da chanceler Angela Merkel, segundo resultados oficiais

Até recentemente, o partido social-democrata alemão era considerado moribundo, mas a vitória nas eleições legislativas demonstra o renascimento de um grupo que sabia silenciar dissidências internas e tirar vantagem do fim da era Angela Merkel.

De acordo com os resultados oficiais divulgados nesta segunda-feira (27), o SPD venceu por pouco a eleição, com 25,7% dos votos, contra 24,1% do bloco conservador (CDU), apoiado pela atual chanceler.

O partido mais antigo da Alemanha também conseguiu manter a prestigiada prefeitura da capital, Berlim, e ganhar quase 40% dos votos nas eleições regionais em Mecklenburg, no leste do país.

Os sociais-democratas pretendem retornar ao poder, tendo participado de três governos como parceiro dos conservadores de Angela Merkel.

Sem rumo

O SPD percorreu um longo caminho. Há apenas um ano, as pesquisas mostravam menos de 15% de votos ao partido.

“Muitos especialistas deram-no mais ou menos como acabado e diziam que ele iria para a oposição para curar suas feridas”, afirma Sudha David-Wilp, cientista político do German Marshall Fund, em Berlim.

Durante duas décadas, o partido mais antigo da Alemanha, criado em 1863, parecia desorientado.

Carregava o fardo do legado da política de inspiração liberal aplicada no início do século pelo chanceler Gerhard Schröder, algo difícil de digerir para o “partido dos trabalhadores”. Especialmente a impopular reforma do mercado de trabalho, que reduziu o desemprego, mas tornou o trabalho precário.

Também parecia fadado a afundar devido a disputas internas entre as alas esquerda e centrista e à perda de sua identidade, por força de participar de coalizões com os conservadores.

A crise existencial foi acentuada após a derrota esmagadora nas eleições legislativas de 2017 (20% dos votos) e o tapa nas eleições europeias de 2019.

Por falta de opções, há três anos e meio o partido renunciou à renovação de sua associação com Angela Merkel, mas acabou muito dividido e enfraquecido.

O partido se dividiu em tempo recorde entre dois presidentes, antes de nomear em 2019 um conjunto de desconhecidos de esquerda para bloquear as ambições do centrista Olaf Scholz.

O movimento parecia buscar sua salvação em uma mudança para a esquerda, como fizeram por um tempo os trabalhistas no Reino Unido ou os socialistas na França, mas finalmente elegeu o ministro das Finanças e Vice-Presidente Olaf Scholz.

A história mostra que é o centro que permite que a Alemanha vença as eleições. Eles ganharam a aposta. O cálculo foi um sucesso, como foi visto com o retrocesso da esquerda radical alemã no domingo.

A vitória do SPD é como um bálsamo para a social-democracia europeia em crise. Ele está posicionado para liderar a Alemanha, já no comando na Suécia, Dinamarca e Finlândia, e talvez em breve na Noruega.

A unidade em prova

Apesar de sua falta de carisma, Olaf Scholz provavelmente aumentará a lista de chanceleres do SPD pós-guerra, composto por Willy Brandt (1969-1974), o pai da abertura diplomática a leste, Helmut Schmidt (1974-1982) e Gerhard Schröder (1998-2005).

Resta uma grande pergunta: a unidade do partido resistirá?

A ala esquerda pode não apreciar os compromissos inevitáveis que Scholz terá que aceitar com o partido liberal se quiser formar uma coalizão majoritária, acrescentando ambientalistas também.

O FDP, um partido mais à direita do que o de Angela Merkel, se opõe, por exemplo, a qualquer aumento de impostos e taxação dos rendimentos mais altos. E o SPD fez campanha por um imposto sobre grandes fortunas.

FONTE: AFP

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

About the author

Gomes

Add Comment

Click here to post a comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com