Geral

Bloco de Maia já teria votos para vencer eleição na Câmara

Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, em Brasília 11/03/2020 REUTERS/Adriano Machado

As negociações dos partidos nessa 6ª feira (18.dez.2020) para definir apoio a candidatos que disputarão a sucessão da presidência da Câmara foram positivas para o bloco de Rodrigo Maia (DEM-RJ), atual presidente da Casa. O grupo do demista já tem o apoio de 11 partidos, que juntos somam 269 votos. Para garantir a eleição são necessários 257 votos, caso os 513 deputados votem. Isso não significa que há qualquer garantia. A eleição será realizada em 1º de fevereiro e o voto é secreto – ou seja, traições de ambos os lados são esperadas.

Nessa 6ª feira (18.dez), decidiram apoiar o candidato de Maia (que ainda é desconhecido) os seguintes partidos: PT, PSL, MDB, PSB, PSDB, DEM, PDT, Cidadania, PV, PC do B e Rede.

Faltam só Novo, Podemos e o Psol se decidirem se apoiarão algum nome, o que poderá ser anunciado no início da próxima semana. Juntos somam 28 votos. A tendência é de que o Psol e o Novo integrem o grupo de Maia e o Podemos apoie Arthur Lira (PP-AL), que é o postulante ao cargo e tem o apoio do presidente Jair Bolsonaro.

Até agora, Lira tem o apoio dos seguintes partidos: PP, PL, PSD, Republicanos, Solidariedade, PTB, Pros, PSC, Avante e Patriota. Juntos somam 204 votos. São 65 votos a menos do que tem hoje o grupo do atual presidente da Câmara.

Rodrigo Maia, que está impedido de disputar a reeleição, deve ainda decidir qual candidatura apoiar. Os mais cotados são Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) e Baleia Rossi (MDB-SP).

Os números de votos representam a quantidade de deputados que compõem as bancadas dos partidos. No entanto, como a votação é secreta, deputados podem votar contra a orientação dos partidos sem serem punidos. Se os 513 deputados votarem serão necessários 257 votos para vencer.

Os blocos são importantes para garantir espaços como cargos na Mesa Diretora e presidências de comissões.

As eleições da Câmara e do Senado estão marcadas para 1º de fevereiro de 2021. Quem for eleito terá mandato de 2 anos.

SENADO FEDERAL

No Senado, a corrida eleitoral também segue movimentada. Nessa 6ª feira (18.dez), as bancadas do PSDB e do Podemos no Senado fecharam acordo para agirem como um bloco nas eleições da Casa segundo informou ao Poder360 o líder tucano Izalci Lucas (PSDB-DF). Juntas, as siglas podem entregar 17 votos, 7 do PSDB e 10 do Podemos. São necessários 41 para se eleger.

Atualmente, há 2 postulantes à presidência: Rodrigo Pacheco (DEM-MG), apadrinhado do atual presidente, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e o outro, um candidato do MDB, maior bancada da Casa, que tem 4 nomes na pauta.

O bloco recém formado não decidiu ainda se apoiará um dos candidatos postos ou se lançará nome próprio. O 1º cenário é o mais provável. Com o grupo maior fica mais fácil negociarem cargos em comissões e na Mesa Diretora.

Na partida, a equipe de Alcolumbre conta que ele tem 20 votos individuais de senadores e o MDB tem os 13 de sua bancada. Por isso, a nova força aparece como muito importante no processo eleitoral.

Junto a ela está a oposição (Cidadania, PDT, PSB, PT e Rede), que tem cerca de 15 senadores e que quer votar em bloco. Reúne-se em 23 de dezembro para tentar definir. Os cortejos e negociações seguirão até fevereiro.

FONTE: PODER 360

Comentar

Print Friendly, PDF & Email
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com