Cultura

Últimos dias de A Cena Negra Amazônica

Nos próximos dias 09 e 10 de abril, continua o projeto A Cena Negra Amazônica, que já teve dois dias de programação. A temática afrodiáspórica amazônica é debatida com artistas e pesquisadores, que exibem suas obras e dialogam com o público. Os dias 02 e 03 foram um sucesso. Dessa vez, teremos mais quatro participações, duas cada dia.

Dentre os convidados estão o professor Flávio da Conceição (UFAC), a arqueóloga e ativista social Alyne Mayra; no campo musical um encontro geracional, Carlinhos Maracã que fez parte do Cabeça de Negro e Anderson Black cantor de soul music de Porto Velho. 

As transmissões ocorrerão via plataforma digital, com duração de até duas horas cada a dia. Os debates contarão com mediação da produtora cultural Betania Avelar, que pesquisa a temática afroameríndia.

O projeto foi contemplado no Edital nº 77/2020/SEJUCEL-CODEC – 1ª  EDIÇÃO MARY CYANNE DO EDITAL DE FOMENTO Á CULTURA E Á PRODUÇÃO ARTÍSTICO-CULTURAL PARA TRANSMISSÕES AO VIVO/GRAVADAS, dentro do EIXO II – Apresentações artísticas(ao vivo/gravadas) – SUBEIXO C – Lives transmitidas ao vivo- com estrutura espaço adequado para as transmissões (estúdio, teatro, casa de show, etc).

SOBRE A PROPONENTE DE A CENA NEGRA

Jamile Soares é produtora, atriz e palhaça com 8 anos de experiência cênica, integrante dos coletivos Teatro Ruante, Trupe dos Conspiradores e Cia Peripécias. Com o Ruante foi ganhadora dos Prêmios Funarte de estímulo ao Circo 2019, Prêmio Sesc de Incentivo a Arte Cênica 2018 – (2018); com o mesmo coletivo integrou a produção da Mostra de Repertório do Teatro Ruante (2017), como atriz atuou em diversos espetáculos dos grupos citados como Era uma vez João e Maria… e ainda é, CIDADE GRANDE, joão ninguém e Um inimigo do povo. Mais recentemente, na condição de discente, participou do Curso de Extensão Estudos em Teatro Negro (2020), Curso em Dramaturgia Negra (2020) e do Grupo de Extensão em Crítica Teatral da UNIR.

PROGRAMAÇÃO

·         09/04: Prof. Flávio Anunciação da UFAC (AC) e Alyne Mayra (RO)

          Mediação: Betânia Avelar

Flávio da Conceição é professor do curso de teatro da Universidade Federal do Acre, com mestrado e doutorado. Trabalha há mais de 20 anos com a metodologia do Teatro do Oprimido, dando cursos e fazendo apresentações em todo Brasil e em vários países. Atualmente coordena o GESTO da floresta- Grupo de Estudos em Teatro do Oprimido da Floresta, que é um Programa de Extensão da UFAC.

Alyne Mayra é Bacharel em Arqueologia pela Universidade Federal de Rondônia. Mestranda em Arqueologia pela Universidade Federal do Sergipe, onde pesquisa o tema: Aquilombamentos urbanos na cidade de Porto Velho, com enfoque no patrimônio cultural arqueológico. Colaboradora no Projeto de Pesquisa de Arqueologia Histórica-UNIR, militante social, pesquisa teoria interseccional, professora voluntária no Departamento de Arqueologia- UNIR.

·         10/04: Carlinhos Maracanã (RO) e Anderson Black (RO)

           Mediação: Betânia Avelar

Carlinhos Maracanã, nascido no Estado da Guanabara, cidade do Rio de Janeiro, em 1952, chegou em Porto Velho em 1982. Foi membro do Movimento de Criação Cabeça de Negro de 1984 a 1988. Criou o Cine Clube Zumbi dos Palmares e a Marcha Para Zumbi, realizados no dia da Consciência Negra, 20 de novembro. Foi Chefe da Divisão de Recreação e Lazer da Secretaria de Cultura de Porto Velho na Administração José Guedes. Criou o Projeto Salão do Humor em Artes Visuais, com três edições; dirigiu a Casa da Cultura Ivan Marrocos de 2013 a 2015. Membro diretor do Bloco Carnavalesco Galo da Meia Noite e participou da fundação do Bloco Até Que a Noite Vire Dia, no bairro Mocambo. Recebeu o título de “Amigo da Cultura” da Câmara Municipal em junho de 2003; recebeu Voto de Louvor da Assembleia Legislativa em outubro de 2019 pela contribuição pelo avanço da igualdade racial, na Semana da Consciência Negra.

Anderson Black, 25 anos, Cantor, professor de técnica vocal e ator; atua no cenário artístico de Rondônia, defendendo a representatividade da música preta brasileira, e levando consciência política e racial através da sua arte.

SOBRE A MEDIADORA

Betânia Avelar é mulher afroameríndia, Amazônida, cinéfila, produtora cultural e militante ambientalista. Graduou-se em Comunicação Social, pela UNIRON (2007) e Ciências Sociais pela UNIR (2018). Coordenou atividades de Cineclubismo no Cine Gaia/RO em Rondônia, e assessorou projetos de Educomunicação, Cultura e Gestão Ambiental em comunidades no campo e cidade. Sócia fundadora do Instituto INDIA AMAZÔNIA. Atualmente desenvolve ações como produtora cultural no Sesc Rondônia onde responde pelas linguagens de Artes Visuais, Audiovisual e Arte e Educação.  É membro do GPA – Grupo de Pesquisa Ativista Audre Lorde e recentemente ingressou no LaBia – Laboratório Didático e Geográfico de Ensino, Pesquisa e Extensão Beatriz Nascimento.

SERVIÇO

O QUE: A Cena Negra Amazônica

QUANDO: Dias 09 e 10 de março de 2021 às 19h.

ONDE: pelos canais do Teatro Ruante – YouTube e Facebook

MAIORES INFORMAÇÕES: (69) 99201-6765

FONTE: ASSESSORIA TEATRO RUANTE

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

BAIXE NOSSO APLICATIVO

RESENHA POLÍTICA

TEIA DIGITAL

TEMPO REAL

DIRETO DE ROLIM

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PARCEIROS

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com