Cidades

Cremero fiscaliza Policlínica Hamilton Gondin e constata falta de medicamentos e presença de ratos em setores da unidade

Anúncios

Em mais uma fiscalização de rotina, realizada na última segunda-feira (22), o Conselho Regional de Medicina do Estado de Rondônia (Cremero), representado pelo presidente da autarquia, Rodrigo Almeida, acompanhado do presidente do Sindicato dos Médicos de Rondônia (Simero), William Paschoalim de Mello, esteve na Policlínica Hamilton Raolino Gondim, no bairro Tancredo Neves, zona leste de Porto Velho.

Pol2
falta de medicamentos

A vistoria identificou a falta de uma série de medicamentos básicos que são fornecidos aos pacientes da policlínica como Captoril, Amoxilina, Ibuprofeno, Fluconazol, Dipirona, Ácido Acetilsalícílico, além de material indispensável para o atendimento ao paciente como máscaras de proteção, usadas principalmente em casos suspeitos de tuberculosa, deixando os profissionais da área da saúde vulneráveis à doença.

Outro aspecto verificado durante a visita chamou a atenção dos médicos. De acordo com o presidente do Cremero, no setor do Same, onde são arquivados centenas de pastas de prontuários, uma infestação de ratos está preocupando os funcionários da unidade de saúde.

POL3
Fezes de Ratos dentro da unidade

A presença de fezes dos roedores em todo o ambiente, inclusive dentro das gavetas dos arquivos, e o forte cheiro de urina foram registradas no relatório da fiscalização, que tomará as medidas necessárias para evitar uma possível contaminação, tanto aos servidores do local, quanto aos pacientes.

Extintores de incêndio com datas de validade vencidas também foram encontrados durante a vistoria. O item é obrigatório e indispensável para a segurança do local.

Na oportunidade, a diretora do Hamilton Gondin, Maria Aparecida Saraiva, não foi encontrada para as devidas notificações.  Ela deverá ser comunicada sobre as irregularidades encontradas, para providenciar as adequações apontadas pelo Cremero.

Segundo Rodrigo Almeida, cabe ao conselho a fiscalização e exigência de providências que visem melhores condições de trabalho ao médico e demais profissionais, além da garantia de um atendimento de qualidade e eficaz ao usuário.

“A falta de medicamentos, a falta das máscaras que protegem o profissional de possíveis contaminações e alguns problemas estruturais devem ser priorizados, assim como a Vigilância Sanitária deverá ser informada sobre a presença de ratos dentro da unidade de saúde, o que também é inadmissível”, declarou Rodrigo Almeida.

Fonte. CREMERO

Comentar

Print Friendly, PDF & Email
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com