Agronegócio

Pneumonia provoca perdas de 50g a 200g/dia nos bovinos, comprometendo o lucro dos pecuaristas

O inverno costuma ser rigoroso em termos de ocorrência de doenças respiratórias, inclusive em bovinos e, especialmente, aqueles em regime intensivo. É o caso do confinamento, técnica cada vez mais frequente nessa época do ano, que tem a pneumonia como um dos principais problemas sanitários. “Estima-se que um bovino com pneumonia pode perder de 50 a 200g/dia, ou seja, no final do período de confinamento de 90 dias o impacto negativo pode atingir de 0,3 a 1,2 arroba por animal. Esse desafio é ainda maior devido à incidência da doença subclínica em quase 10% dos animais. Basta fazer a conta para ter noção clara das perdas em produtividade”, alerta o médico veterinário Thales Vechiato, gerente de produtos de grandes animais da Syntec do Brasil.

Segundo Vechiato, por ser transmissível, a pneumonia tem potencial multiplicador, podendo atingir grande parte ou até todo o rebanho. “Como se preparar para enfrentar esse problema? O primeiro passo é estar atento aos sintomas. Normalmente, os animais apresentam secreção nasal seromucosa (aspecto de clara de ovo) e evoluem para muco purulenta (secreções esverdeadas), têm perda de apetite, se isolam no fundo dos piquetes, ficam prostados e têm perda de peso”.

Em casos mais graves, a pneumonia pode até levar o gado a óbito. “Sim, há risco de o animal morrer por pneumonia, mas o principal ponto de atenção é a perda de peso, com menor rendimento de carcaça e custos operacionais com tratamentos”.

Para minimizar os casos de pneumonia, recomenda-se o uso de aspersores no confinamento e adaptação de dieta de engorda, uma vez que a causa da doença pode ser também de origem nutricional. A prevenção com biológicos também é importante.
Quanto ao tratamento dessa doença respiratória, Thales Vechiato recomenda o uso associado de antibiótico com anti-inflamatório. A Syntec do Brasil oferece amplo portfólio para o tratamento de infecções e inflamações em bovinos confinados. Oxitetraciclina L.A., antibiótico injetável de amplo espectro oferece ação prolongada em uma única aplicação. Já Maxitec, anti-inflamatório não esteroide à base de Meloxicam 3%, possui propriedades antipirética e analgésica, aliviando as dores e auxiliando de maneira eficaz a melhora do gado.

Sobre a Syntec

A Syntec é uma indústria de produtos para saúde animal 100% brasileira, com foco em medicamentos e suplementos veterinários de alta complexidade. Seu portfólio é amplo, incluindo terapêuticos, especialidades, produtos para higiene e saúde, suplementos e, agora, vacinas animais. Mais informações: www.syntec.com.br

FONTE: ASSESSORIA TEXTO COMUNICAÇÃO

Comentar

Print Friendly, PDF & Email
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com